Valorizando o papel da imprensa no fortalecimento da Educação Superior Brasileira

Detalhe

Jornalistas da Tribuna Independente são finalistas em prêmio ABMES de Jornalismo

07/08/2019 | Por: Tribuna Hoje | 50

Foto: Acervo pessoal

Ana Paula Omena e Thayane Magalhães, ambas, repórteres da Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos do Estado de Alagoas (Jorgraf), chegaram à final da terceira edição do prêmio nacional de jornalismo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), que visa incentivar a imprensa na produção de reportagens e matérias que abordem a educação superior no Brasil.

Elas inscreveram a reportagem “Própolis vermelha de Alagoas é cobiçada pelo mundo”, e concorreram com outras 90 matérias, ficando entre as três melhores do país, na categoria Jornalismo Impresso, no evento que aconteceu na última terça-feira (6), em Brasília.

A terceira edição do concurso da ABMES recebeu 296 inscrições. Os finalistas foram escolhidos por três membros imortais da Academia Brasileira de Letras (ABL): o educador, jornalista e escritor Arnaldo Niskier; o advogado, jornalista, professor, ensaísta e poeta Marcos Vilaça; e o jornalista Merval Pereira.

A reportagem tratou a respeito da própolis vermelha que nasce dos manguezais alagoanos e tem o poder de combater células cancerígenas, cicatrização de queimados e matar superbactérias. De acordo com a pesquisa científica desenvolvida pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), a própolis vermelha é considerada o ouro rubro do estado, cobiçada pela indústria farmacêutica mundial. Atualmente vinte e dois municípios alagoanos dispõem dessa substância que tem grande diversidade terapêutica.

As jornalistas que já haviam sido premiadas com a mesma reportagem, conquistando o terceiro lugar na categoria Jornalismo Impresso, no Prêmio local de Jornalismo Científico José Marques de Melo, em 2018, se sentiram gratas em mais uma vez terem o trabalho reconhecido, desta vez nacionalmente.

“Estamos muito felizes. Foram noventa reportagens de matéria impressa e ficamos entre as três melhores do país. Isso mostra que o jornalismo alagoano, apesar do massacre que vem sofrendo, está indo cada vez mais longe, e nós ainda temos força para continuar levando o bom jornalismo”, afirmou Thayanne Magalhães, que fez questão de destacar a importância das reportagens no meio acadêmico.

“Essa reportagem fala de uma pesquisa de uma universidade federal, no momento que o nosso governo tem feito cortes na educação e que o ministro da educação vem se referindo ao ensino superior público como balbúrdia. Dentro desse contexto, é uma satisfação ver nossa reportagem chegar à final de um prêmio nacional, mostrando que a universidade federal é ciência e pesquisa e está tratando de curar uma doença negligenciada pelo poder público”, conclui Thayanne.

É a primeira vez que as duas profissionais têm trabalho selecionado no prêmio ABMES. De acordo com Ana Paula Omena, estar entre os finalistas é muito gratificante. “Passar por uma peneira de mais de noventa trabalhos inscritos, na categoria jornalismo impresso, é gratificante. Mostra que estamos no lugar certo. Fazendo um trabalho com respeito e credibilidade, levando ao leitor alagoano e do país informações de grande valia para nosso estado”, informa Ana Paula.